Loading...

Minha lista de blogs

sábado, 15 de maio de 2010

AS DIFICULDADES NO RELACIONAMENTO ENTRE PAIS E FILHOS


Muito se tem falado e abordado sobre a dificuldade dos jovens no diálogo com os pais. A queixa é freqüente e de ambos os lados: “É impossível conversar com eles.”

A verdade é que o comportamento de alguns adolescentes se torna tão difícil que os pais sentem que não conseguem lidar com eles. Pode ser ainda mais difícil nas famílias em que os adolescentes querem proceder como seus outros amigos - o que é muito frequente - e os pais sentem que isso entra em conflito com os seus valores tradicionais.

Para educar um filho não há uma fórmula secreta ou manual que se possa seguir, que, uma vez utilizado, seja a fonte apaziguadora, uma vez que cada filho e cada pai e mãe são únicos em sua natureza - e todos precisam ser respeitados nessa individualidade. O que funciona de verdade são algumas atitudes práticas. Ao invés de bater a porta e gritar “não agüento mais”, “estou de saco cheio”, procure mudar a frase para algo como “quando estiver mais calmo conversaremos”. É incrível como frases ditas de forma calma desarmam o seu interlocutor, esteja ele na posição de pai ou filho.

Para os filhos:

Ao invés de dizer “ninguém manda em mim, eu já tenho X anos”, racionalize sobre isso. Você é o filho (a) e se Deus quisesse que fosse diferente as posições seriam inversas, não concorda? Pensando assim, tente se colocar, por breves instantes que sejam, no lugar de quem em sua opinião, quer lhe agredir ou ferir. Por que eles fariam isso? Por quê? Por não o amarem? Por não querem o seu bem? As formas pelas quais demonstram isso podem ser diferentes do que você esperava, mas não necessariamente significam desamor, quando muito desentendimentos. Saint Exupéry, escritor do famoso livro 'O Pequeno Príncipe' já dizia: “Palavras são a fonte de desentendimentos”. Policie-se no que diz. Passe pela peneira o que lhe falam. Mostre com carinho como você gostaria de ser tratado ou compreendido. Use frases do tipo: “Quando eu estiver triste, gostaria que vocês...”, “Quando eu estiver nervoso, gostaria que agissem...”

Para os pais:

O conselho é que não respondam imediatamente, nem com palavras que inspirem medo e nem usando agressão física - pois isso irá simplesmente gerar mais desentendimento. Em vez de procederem assim, os pais devem expressar o que realmente sentem no coração. Uma frase bem colocada vale mais do que dez ou vinte bofetadas.

É extremamente importante que os pais permaneçam tranqüilos e seguros diante de tantas mudanças para que não ocorram conflitos no relacionamento. Muitas vezes os adolescentes são incompreendidos porque não se fazem compreender. Há um universo lindo, rico e enorme dentro deles, porém os pais não conseguem enxergar. É essencial que pais e mães possam ser amigos de seus filhos, mas, antes de qualquer outra coisa, por amor a eles, os pais têm o dever de educá-los, de colocar limites, estabelecer proibições para que eles cresçam.

Na verdade, o que os filhos necessitam são de pais e mães mais próximos, mais disponíveis, abertos a escutá-los, a discutir e orientá-los naquilo que eles lhes solicitarem, ou naquilo que os pais entenderem necessário fazê-lo. Necessitam igualmente de pais que saibam dizer não, estabelecer o que é certo e o que é errado, e quais os limites que precisam ser seriamente respeitados. Não é uma tarefa fácil, aliás, é uma tarefa quase digna de super-heróis!

A lição aqui é dialogar, é aprender, é conhecer os pais, é deixar-se conhecer, é entender que os pais também são sensíveis às transformações do mundo moderno. Mas tenha sempre em mente que pela experiência de vida e pelo amor que eles têm por seus filhos, com certeza têm muito o que ensinar. Assim como é atribuição dos pais ensinarem aos filhos valores morais, sociais, religiosos, estabelecer regras dentro de casa e cobrar limites, uma vez que nesse nosso mundo moderno, os valores estão sendo esquecidos.

Para concluir, o que eu gostaria de ressaltar é que, mesmo em todos os conflitos, pois eles existem e fazem parte de qualquer relacionamento, a busca pelo respeito recíproco é essencial para que haja crescimento e, o mais importante é que os pais procurem compreender que os filhos precisam de muita orientação nesta fase da vida e que os filhos entendam todo o amor de seus pais.

Faz-se necessário que uma pequena luz comece a brilhar para que o caminho seja vislumbrado e possível de ser trilhado juntos. Como FAMÍLIA!

Fonte:: , Psicóloga Sandra Maria Fernandes
www.terapia-cotidiana.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário